O Mito de Sísifo

O Mito de Sísifo (eBook)

avaliação dos leitores (1 comentários)
(1 comentários)
Formatos disponíveis
9,99€ I
-10%
COMPRAR
-10%
9,99€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I Disponibilidade Imediata
I EBOOK PARA WOOK READER

SINOPSE

Um homem carrega uma pedra enorme até ao cimo de uma montanha, com grande esforço e sofrimento físico. Aí chegado, deixa que a pedra se solte das mãos e role pela encosta abaixo. E novamente todo o processo se inicia, repetindo-se por toda a eternidade. Não há castigo mais terrível do que o trabalho inútil e sem esperança, terão pensado os deuses que assim condenaram Sísifo. Publicado pela primeira vez em 1942, O Mito de Sísifo é considerado um dos mais influentes ensaios do século xx, uma exposição pungente do pensamento existencialista, peça central na filosofia do absurdo de Albert Camus. A tradução é de Urbano Tavares Rodrigues.
Ver Mais

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

A condenação de Sísifo
Marília Correia de Barros | 2019-11-08
Não existe condenação mais terrível que um homem ser obrigado a fazer um trabalho inútil e não ter qualquer esperança nos dias vindouros, porque estes serão iguais aos de ontem. Um livro profundo onde a repetição do quotidiano leva o ser humano à exaustão e à desesperança. Recomendo a leitura desta obra fundamental.

DETALHES DO PRODUTO

O Mito de Sísifo (eBook)
ISBN: 978-972-38-2968-6
Edição/reimpressão: 09-2016
Editor: Livros do Brasil
Código: 68788
Coleção: Dois Mundos
Idioma: Português
Páginas: 136
Tipo de Produto: eBook

sobre Albert Camus

Albert Camus nasceu em Mondovi, na Argélia, a 7 de novembro de 1913. Licenciado em Filosofia, participou na Resistência francesa durante a Segunda Guerra Mundial e foi então um dos fundadores do jornal de esquerda Combat. Em 1957 foi consagrado com o Prémio Nobel da Literatura pelo conjunto de uma obra que o afirmou como um dos grandes pensadores do século XX. Dos seus títulos ensaísticos destacam-se O Mito de Sísifo (1942) e O Homem Revoltado (1951); na ficção, são incontornáveis O Estrangeiro (1942), A Peste (1947) e A Queda (1956). A 4 de janeiro de 1960, Camus morreu num acidente de viação perto de Sens. Na sua mala levava inacabado o manuscrito de O Primeiro Homem, texto autobiográfico que viria a ser publicado em 1994.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK