Cartas a Um Amigo Alemão (eBook)

avaliação dos leitores (1 comentários)
(1 comentários)
Formatos disponíveis
8,99€ I
8,09€ I
-10%
COMPRAR
-10%
8,99€ I
8,09€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO IMEDIATO
I Disponibilidade Imediata
I EBOOK PARA WOOK READER

SINOPSE

Compiladas pela primeira vez em volume em 1945, as quatro cartas que aqui se apresentam foram escritas por Albert Camus durante a ocupação de França pelas forças nazis e publicadas na clandestinidade. Nelas encontra-se expressa a doutrina desenvolvida em A Peste ou O Homem Revoltado: de que o homem é um ser mortal, mas que não deve morrer sem resistência, sem lutar pela justiça. Cartas a Um Amigo Alemão é, nas palavras do próprio autor, um «documento da luta contra a violência» e, prestando testemunho de um dos momentos mais avassaladores da história recente da Europa, revela-se, acima de tudo, um texto de defesa do ideal europeu, cujos argumentos permanecem ainda hoje tão pertinentes.
Ver Mais

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

O verdadeiro humanismo!
Maria Sobral Velez | 2022-04-13
Quatro cartas que condenam o discurso de ódio e a violência, um documento em que ´´ vós´´ não se refere a todos os alemães, mas só aos nazis; em que ´´ nós´´ se refere, não apenas aos franceses , mas a todos os europeus livres.

DETALHES DO PRODUTO

Cartas a Um Amigo Alemão (eBook)
ISBN: 978-989-711-106-8
Edição/reimpressão: 01-2022
Editor: Livros do Brasil
Código: 69025
Coleção: Dois Mundos
Idioma: Português
Páginas: 64
Tipo de Produto: eBook
Classificação Temática: eBooks > eBooks em Português > Literatura > Epístolas e Cartas

sobre Albert Camus

Albert Camus nasceu em Mondovi, na Argélia, a 7 de novembro de 1913. Licenciado em Filosofia, participou na Resistência francesa durante a Segunda Guerra Mundial e foi então um dos fundadores do jornal de esquerda Combat. Em 1957 foi consagrado com o Prémio Nobel da Literatura pelo conjunto de uma obra que o afirmou como um dos grandes pensadores do século XX. Dos seus títulos ensaísticos destacam-se O Mito de Sísifo (1942) e O Homem Revoltado (1951); na ficção, são incontornáveis O Estrangeiro (1942), A Peste (1947) e A Queda (1956). A 4 de janeiro de 1960, Camus morreu num acidente de viação perto de Sens. Na sua mala levava inacabado o manuscrito de O Primeiro Homem, texto autobiográfico que viria a ser publicado em 1994.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK