A Tragédia da Rua das Flores

A Tragédia da Rua das Flores

Eça de Queiroz
avaliação dos leitores (1 comentários)
(1 comentários)
Formatos disponíveis
11,00€I
-10%
24H
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
EM
STOCK
11,00€I
COMPRAR
I10% DE DESCONTO EM CARTÃO
IEm stock - Envio 24H

SINOPSE

«Era no Teatro da Trindade, representava-se o Barba Azul.» Este é o cenário em que se inicia a acção de A Tragédia da Rua das Flores, romance de Eça de Queiroz que ele mesmo qualificou como «livro cruel» e que permaneceu inédito durante mais de um século. Escrita entre 1877 e 1878 e apenas publicada em 1980, esta é a história da paixão fatal de Vítor e Genoveva, que Eça acabaria por deixar por corrigir e editar, mas que serviu de ponto de partida para que em 1888 os leitores recebessem aquela que é a sua obra-prima, Os Maias. A presente edição de A Tragédia da Rua das Flores recupera e corrige o texto da primeira edição, com fixação e notas de João Medina e A. Campos Matos.
Ver Mais

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Surpreendente
Maria |2018-11-25
Apesar de ter lido antes de o comprar que era muito semelhante aos Maias (de facto há pontos em comum), investi na mesma e não me arrependi. Muito bom, com a crítica social típica de Eça super aguçada. Aconselho!

DETALHES DO PRODUTO

A Tragédia da Rua das Flores
de Eça de Queiroz
ISBN:978-972-38-3059-0
Edição/reimpressão:09-2018
Editor:Livros do Brasil
Código:77447
Coleção:Obras de Eça de Queiroz
Idioma:Português
Dimensões:142 x 210 x 31 mm
Encadernação:Capa mole
Páginas:464
Tipo de Produto:Livro

sobre Eça de Queiroz

Eça de Queiroz
Eça de Queiroz nasceu a 25 de Novembro de 1845 na Póvoa de Varzim e é considerado um dos maiores romancistas de toda a literatura portuguesa, o primeiro e principal escritor realista português, renovador profundo e perspicaz da nossa prosa literária.
Entrou para o Curso de Direito em 1861, em Coimbra, onde conviveu com muitos dos futuros representantes da Geração de 70. Terminado o curso, fundou o jornal , em 1866, órgão no qual iniciou a sua experiência jornalística. Em 1871, proferiu a conferência «O Realismo como nova expressão da Arte», integrada nas Conferências do Casino Lisbonense e produto da evolução estética que o encaminha no sentido do Realismo-Naturalismo de Flaubert e Zola. No mesmo ano iniciou, com Ramalho Ortigão, a publicação de As Farpas, crónicas satíricas de inquérito à vida portuguesa.
Em 1872 iniciou a sua carreira diplomática, ao longo da qual ocupou o cargo de cônsul em Havana, Newcastle, Bristol e Paris. Foi, pois, com o distanciamento crítico que a experiência de vida no estrangeiro lhe permitiu que concebeu a maior parte da sua obra romanesca, consagrada à crítica da vida social portuguesa e de onde se destacam O Primo Bazilio, O Crime do Padre Amaro, A Relíquia e Os Maias, este último considerado a sua obra-prima. Morreu a 16 de Agosto de 1900, em Paris.
Ver Mais

DO MESMO AUTOR

As Minas de Salomão

de Eça de Queiroz

A Cidade e as Serras

de Eça de Queiroz

Os Maias

de Eça de Queiroz

Contos

de Eça de Queiroz

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK