Lendas de Santos

Formatos disponíveis
11,00€ I
9,90€ I
-10%
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
EM
STOCK
11,00€ I
9,90€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO IMEDIATO
I EM STOCK

SINOPSE

Estes textos ocuparam os últimos anos de vida de Eça de Queiroz. Naquilo que parece ser uma espécie de golpe irónico do destino, o autor que antes reivindicara «destruir as falsas interpretações e falsas realizações que lhe dá [ao mundo] uma sociedade podre» envida agora esforços para reconstruir as biografias de S. Cristóvão, Santo Onofre e S. Frei Gil. Na sua conhecida prosa fulgurante, Eça é capaz de pintar paisagens riquíssimas das gentes da Idade Média, os costumes no Egipto ou a vivência da calhandra de Vouzela para dar vida ao percurso iluminado de cada um dos seus santos. Mas desengane-se quem coloque em causa a profunda crítica que o autor de O Crime do Padre Amaro e A Relíquia vinha tecendo aos poderes instalados da Igreja: nestas Lendas de Santos, Eça de Queiroz não deixa de sublinhar o desvirtuamento dos valores cristãos, exemplificados em cada uma destas personagens.
Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

Lendas de Santos
ISBN: 978-989-711-159-4
Edição/reimpressão: 06-2022
Editor: Livros do Brasil
Código: 77550
Idioma: Português
Dimensões: 142 x 210 x 21 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 336
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Biografias
Eça de Queiroz nasceu a 25 de novembro de 1845 na Póvoa de Varzim e é considerado um dos maiores romancistas de toda a literatura portuguesa, o primeiro e principal escritor realista português, renovador profundo e perspicaz da nossa prosa literária.
Entrou para o Curso de Direito em 1861, em Coimbra, onde conviveu com muitos dos futuros representantes da Geração de 70. Terminado o curso, fundou o jornal , em 1866, órgão no qual iniciou a sua experiência jornalística. Em 1871, proferiu a conferência «O Realismo como nova expressão da Arte», integrada nas Conferências do Casino Lisbonense e produto da evolução estética que o encaminha no sentido do Realismo-Naturalismo de Flaubert e Zola. No mesmo ano iniciou, com Ramalho Ortigão, a publicação de As Farpas, crónicas satíricas de inquérito à vida portuguesa.
Em 1872 iniciou a sua carreira diplomática, ao longo da qual ocupou o cargo de cônsul em Havana, Newcastle, Bristol e Paris. Foi, pois, com o distanciamento crítico que a experiência de vida no estrangeiro lhe permitiu que concebeu a maior parte da sua obra romanesca, consagrada à crítica da vida social portuguesa e de onde se destacam O Primo Bazilio, O Crime do Padre Amaro, A Relíquia e Os Maias, este último considerado a sua obra-prima. Morreu a 16 de agosto de 1900, em Paris.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK