Vida à Venda

Vida à Venda (eBook)

Formatos disponíveis
9,99€I
-10%
COMPRAR
-10%
9,99€I
COMPRAR
I10% DE DESCONTO EM CARTÃO
IDisponibilidade Imediata
IEBOOK PARA WOOK READER

SINOPSE

Uma das últimas obras escritas por Yukio Mishima, publicada originalmente nas páginas da edição japonesa da revista Playboy ao longo de 1968, Vida à Venda só recentemente foi descoberta pelo grande público, conquistando nos últimos anos novos leitores japoneses e merecendo traduções em vários pontos do mundo.

Farto dos seus dias, e depois de uma tentativa frustrada de suicídio, Hanio Yamada, jovem publicitário, decide pôr um anúncio no jornal: «Vendo a minha vida. Pode utilizá-la conforme as suas conveniências.» A partir desse momento, uma série de personagens estranhas virão ao seu encontro – uma mulher vampira, espiões, uma jovem viciada em LSD – e, peripécia após peripécia, entre o humor e a frieza, Hanio depara-se sucessivamente com algo que o impede de se desfazer da sua existência.

Original, irreverente, jocoso, este romance propõe um excêntrico passeio pelas profundas considerações do autor sobre a morte e o valor da vida.
Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

Vida à Venda (eBook)
ISBN:978-989-711-046-7
Edição/reimpressão:09-2019
Editor:Livros do Brasil
Código:67831
Coleção:Dois Mundos
Idioma:Português
Páginas:216
Tipo de Produto:eBook
Yukio Mishima, novelista e dramaturgo, pseudónimo de Kimitake Hiraoka, nasceu em Tóquio em 1925 e suicidou-se de forma mediática, praticando o ritual japonês seppuku, a 25 de novembro de 1970, manifestando assim a sua discordância com o abandono das tradições japonesas e a aceitação acrítica de modelos consumistas ocidentais. O idealismo que enforma a sua obra e conduzirá a sua vida está enraizado no tradicionalismo militar e espiritual dos samurais, e a sua conceção da arte liga-se a um elevado culto da alma e do corpo. Mishima é um dos mais conhecidos escritores japoneses, várias vezes apontado como candidato ao Prémio Nobel da Literatura, e autor de obras inesquecíveis como Confissões de Uma Máscara (1948), O Templo Dourado (1956) ou O Marinheiro que Perdeu as Graças do Mar (1963).
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK