2018-10-17

Porto-Sudão, de Olivier Rolin, com nova edição

Escritor chegou hoje a Portugal para participar nas Residências Internacionais de Escrita Fundação Dom Luís I, em Cascais.

Partilhar:

Está a partir de amanhã nas livrarias uma nova edição de Porto-Sudão, talvez a obra mais conhecida de Olivier Rolin, inserida agora na coleção Miniatura da Livros do Brasil. Galardoado com o Prémio Femina em 1994, Porto-Sudão conta a história de A., cuja morte por suicídio leva o narrador, seu amigo de infância, a procurar as razões deste destino trágico.

Este lançamento será acompanhado de perto pelo autor, Olivier Rolin, que a partir de hoje e até meados de dezembro estará em Portugal no âmbito das Residências Internacionais de Escrita Fundação Dom Luís I, em Cascais. Estão previstos alguns eventos com o autor, entre eles a participação no festival literário Tinto no Branco, em Viseu, em dezembro, e em duas masterclasses em Lisboa, em datas a anunciar.

Sinopse:

Em Porto-Sudão, nas margens do mar Vermelho, onde desempenha vagas funções de capitão de porto, o narrador é informado de que A., seu amigo de juventude, se suicidou. Juntos, na Paris de 68, tinham desenhado sonhos de um mundo mais justo, mais aventuroso, mais poético. A. tornara-se escritor; ele refugiara-se num exílio marítimo: ambos talvez procurando escapar às garras do mundo tal como ele é. Vinte e cinco anos depois do seu último encontro, o narrador decide regressar a Paris e procurar explicações para o gesto do amigo. Descobre uma história de amor infeliz, de um vazio avassalador, de um sofrimento de corpo e espírito, que por fim parece falar a um só tempo de Paris e de Porto-Sudão, cidades de todos os naufrágios. Maravilhoso relato de um amor onde «falta um corpo cuja marca invisível continua a fazer-se sentir», Porto-Sudão foi galardoado com o Prémio Femina 1994.

O Autor:

Olivier Rolin nasceu em França, a 17 de maio de 1947, e passou parte da sua infância em África. Deu-se a conhecer com o romance Phénomène futur (1983), sendo hoje um dos nomes mais respeitados do panorama literário francês. Em Portugal estão traduzidos, entre outros, os seus romances O bar da ressaca, A invenção do mundo, Porto-Sudão (Prémio Femina 1994), O cerco de Cartum, Tigre de papel (Prémio France Culture 2003 e finalista do Prémio Goncourt), Suite no Hotel Crystal, Um caçador de leões (finalista dos Prémios Goncourt e Renaudot 2008), O meteorologista ou Veracruz. Em 2010 foi distinguido pela Academia Francesa com o Grande Prémio de Literatura Paul-Morand.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK