2019-07-10

Livros do Brasil aposta nos clássicos portugueses

Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco, inaugura nova coleção da chancela

Partilhar:

No seguimento das conhecidas edições da obra de Eça de Queiroz, a Livros do Brasil decidiu alargar a sua aposta na literatura nacional e apresenta agora uma coleção dedicada aos romances clássicos portugueses, com especial ênfase nos do século XIX. Esta nova coleção foi inaugurada com o mais lido romance de Camilo Castelo Branco, Amor de Perdição, que chegou às livrarias a 13 de junho.

Escrita em quinze intensos dias de prisão e com base na sua própria experiência, Amor de Perdição é um exemplo maior do movimento romântico português. Esta é a história do amor de Simão Botelho e Teresa Albuquerque, ele de dezassete anos, ela de quinze; um amor singular que não esmorece face à oposição das suas famílias fidalgas, a perseguições, a condenações, ao exílio; uma paixão pungente a que se juntará a jovem Mariana, e que não poderá acabar senão tragicamente. Alcançando grande êxito assim que foi dado à estampa, em 1862, Amor de Perdição é uma das mais apaixonantes histórias de amor da literatura portuguesa, estando indicada nas Metas Curriculares de Português para o Ensino Secundário (11.º ano).

O autor:

Nasceu em 1825, em Lisboa, e faleceu em 1890, em S. Miguel de Seide (Famalicão). Com uma breve passagem pelo curso de Medicina, estreia-se nas letras em 1845 e em 1851 publica o seu primeiro romance, Anátema. Em 1860, na sequência de um processo de adultério desencadeado pelo marido de Ana Plácido, com quem mantinha um relacionamento amoroso desde 1856, Camilo e Ana Plácido são presos, acabando absolvidos no ano seguinte por D. Pedro V. Entre 1862 e 1863, Camilo publica onze novelas e romances, atingindo uma notoriedade dificilmente igualável. Tornou-se o primeiro escritor profissional em Portugal, dotado de uma capacidade prodigiosa para efabular a partir da observação da sociedade, com inclinação para a intriga e análise passionais. Considerado o expoente do romantismo em Portugal, autor de obras centrais na história da literatura nacional, como Amor de Perdição, A Queda dum Anjo e Eusébio Macário, Camilo Castelo Branco, cego e impossibilitado de escrever, suicidou-se com um tiro de revólver a 1 de junho de 1890.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK