2022-02-18

Um registo singular de uma era

Livros do Brasil publica A América e os Americanos e outros textos, de John Steinbeck. Uma antologia de não ficção na qual encontramos o olhar do jornalista e do cidadão

Partilhar:

Assinalando os 120 anos do nascimento de John Steinbeck e os 60 anos da atribuição do prémio Nobel, a coleção Dois Mundos expande o seu catálogo do autor californiano com a edição de A América e os Americanos e outros textos. O volume reúne mais de 60 textos de não ficção, publicados em jornais e revistas entre 1936 e 1966. Neles, Steinbeck discorre sobre temas como as guerras do seu tempo, a pobreza, o racismo, mas também as suas viagens e os seus amigos.

 

O livro já se encontra em pré-venda e estará disponível nas livrarias a 24 de fevereiro.

 

SOBRE O LIVRO

John Steinbeck foi um escritor comprometido com o seu tempo, atento à política, às mudanças sociais, ao mundo à sua volta. Durante trinta anos, a par dos seus famosos romances, escreveu vários trabalhos curtos de não ficção, que foram sendo publicados em jornais e revistas no seu país e no estrangeiro, e através deles construiu um singular registo de uma era. A presente antologia reúne mais de sessenta destes textos, desde artigos que serviram de inspiração para o célebre romance As Vinhas da Ira até ao último livro que publicou, A América e os Americanos, de 1966. Nestas páginas preciosas encontra-se o olhar do jornalista, cobrindo a Grande Depressão norte-americana, a Segunda Guerra Mundial, o Vietname; o testemunho do cidadão, preocupado com o ambiente, com a pobreza, com o racismo; as confidências de um homem, refletindo sobre os lugares onde viveu e recordando os amigos queridos. A América e os Americanos e outros textos é um retrato essencial de John Steinbeck e um documento inestimável para melhor compreender o seu país.

 

SOBRE O AUTOR

John Steinbeck nasceu em Salinas, na Califórnia, em 1902, numa família de parcos haveres. Chegou a frequentar a Universidade de Stanford, sem concluir nenhuma licenciatura. Em 1925 foi para Nova Iorque, onde tentou uma carreira de escritor, cedo regressando à Califórnia sem ter obtido qualquer sucesso. Alcançou o seu primeiro êxito em 1935, com O Milagre de São Francisco (Tortilla Flat na edição original), confirmado depois, em 1937, com a novela Ratos e Homens. A sua ficção está marcada por uma imensa preocupação com os problemas dos trabalhadores rurais e também por um grande fascínio para com a terra. Em 1939, publicaria aquela que, por muitos, é considerada a sua obra-prima, As Vinhas da Ira. Entre os seus livros, destacam-se ainda os romances A Leste do Paraíso (1952) e O Inverno do Nosso Descontentamento (1961), bem como Viagens com o Charley (1962), em que relata uma viagem de três meses por 40 estados norte-americanos. Recebeu o Prémio Nobel da Literatura em 1962. Faleceu em Nova Iorque, a 20 de dezembro de 1968.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK