2022-05-31

A infinita bondade de seres excecionais

Livros do Brasil publica Lendas de Santos, de Eça de Queiroz. Estes textos ocuparam os últimos anos de vida do autor pioneiro do realismo português

Partilhar:

Obra esgotada, datando a última edição de 1992, Lendas de Santos, de Eça de Queiroz, centra-se nas histórias de três figuras: S. Cristóvão, Santo Onofre e S. Frei Gil. Naquilo que parece ser uma espécie de golpe irónico do destino, o autor que antes reivindicara «destruir as falsas interpretações e falsas realizações que lhe dá [ao mundo] uma sociedade podre» envida agora esforços para reconstruir estas biografias.

 

O livro já se encontra em pré-venda e estará disponível nas livrarias a 2 de junho.

 

Na sua conhecida prosa fulgurante, Eça é capaz de pintar paisagens riquíssimas das gentes da Idade Média, os costumes no Egipto ou a vivência da calhandra de Vouzela para dar vida ao percurso iluminado de cada um dos seus santos. Mas desengane-se quem coloque em causa a profunda crítica que o autor de O Crime do Padre Amaro e A Relíquia vinha tecendo aos poderes instalados da Igreja: nestas Lendas de Santos, Eça de Queiroz não deixa de sublinhar o desvirtuamento dos valores cristãos, exemplificados em cada uma destas personagens. Nesta edição baseada em manuscritos e cópias de manuscritos, a fixação do texto e notas são de Helena Cidade Moura.

 

SOBRE O AUTOR

Eça de Queiroz nasceu a 25 de novembro de 1845, na Póvoa de Varzim, e é considerado um dos maiores romancistas de toda a literatura portuguesa, o primeiro e principal escritor realista português, renovador profundo e perspicaz da nossa prosa literária. Entrou para o Curso de Direito em 1861, em Coimbra, onde conviveu com muitos dos futuros representantes da Geração de 70. Terminado o curso, fundou o jornal O Distrito de Évora, em 1866, órgão no qual iniciou a sua experiência jornalística. Em 1871, proferiu a conferência «O Realismo como nova expressão da Arte», integrada nas Conferências do Casino Lisbonense e produto da evolução estética que o encaminha no sentido do Realismo-Naturalismo de Flaubert e Zola. No mesmo ano iniciou, com Ramalho Ortigão, a publicação de As Farpas, crónicas satíricas de inquérito à vida portuguesa. Em 1872, iniciou a sua carreira diplomática, ao longo da qual ocupou o cargo de cônsul em Havana, Newcastle, Bristol e Paris. Foi, pois, com o distanciamento crítico que a experiência de vida no estrangeiro lhe permitiu que concebeu a maior parte da sua obra romanesca, consagrada à crítica da vida social portuguesa e de onde se destacam O Primo Bazilio, O Crime do Padre Amaro, A Relíquia e Os Maias, este último considerado a sua obra-prima. Morreu a 16 de agosto de 1900, em Paris.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK